segunda-feira, 8 de junho de 2020

DOCE DE PHYSALLIS COM ANIS ESTRELADO



  Quando falamos de doces, pensamos sempre nos mais corriqueiros e fáceis de encontrar. Pois bem, desta vez proponho-vos um doce de physallis com anis estrelado, o que lhe confere um toque especial e ainda mais exótico. Perfeito para acompanhar umas simples bolachinhas ou uma seleção de queijos. 

500 grs de physallis
250 grs de açúcar amarelo
2 estrelas de anis

Coloque todos os ingredientes num tachinho em lume médio e deixe levantar fervura. Reduza a temperatura e mexa ocasionalmente.

Faça o teste para saber se o doce está no ponto, colocando uma colherzinha num prato e, se conseguir "fazer uma estradinha", o doce está pronto. 

Retire do lume e coloque num frasco esterilizado, fechando-o hermeticamente.



 



domingo, 24 de maio de 2020

KLADDKAKA - E O CONCEITO ESCANDINAVO DE FIKKA...





Aqui há tempos falei-vos aqui do conceito "Hygge", que promove um sentimento de conforto, aconchego e plenitude oriundo da Dinamarca e que preconiza um dos segredos para se ser  feliz

Hoje trago o conceito sueco e finlandês de "Fikka", que consiste basicamente, na ideia de se fazer um intervalo no trabalho para tomar café, comer qualquer coisa e estar um pouco com amigos, colegas ou familiares. Uma oportunidade quer para estabelecer e fortalecer relações, quer para dar tempo de modo a processar a informação e diminuir o stress no trabalho. 

Um conceito descontraído e, também ele de partilha e de convívio

Normalmente o café é acompanhado de um bolo, biscoito ou algum pão doceKladdkaka, o bolo que vos trago hoje, é o bolo preferido dos suecos para estes intervalos. Kladd é uma palavra sueca que significa "pegajoso", o que nos diz que este é um bolo húmido e irresistível..

Vamos a isso? 


100 grs manteiga
2 ovos
300 grs açúcar branco
150 grs farinha
4 colheres de sopa de cacau em pó
1 colher de sopa de açúcar baunilhado
Pitada de sal

Derreta a manteiga e deixe arrefecer ligeiramente.

Bata os ovos com o açúcar até obter uma massa pálida e fofa.

Acrescente a farinha e o cacau peneirados. Adicione o sal e a manteiga e incorpore bem. 

Coloque numa forma forrada e leve ao forno cerca de 20 minutos a 180ºC.

Deixe arrefecer o bolo durante 1 hora e só depois o desenforme.


sexta-feira, 15 de maio de 2020

LAYALI LUBNAN, PUDIM DE SEMOLINA LIBANÊS


    
  Da última vez deixei-vos aqui uma sugestão que chegou do Médio-Oriente e, hoje, continuando na mesma linha, é a vez da sobremesa... 

  Este pudim, bem aromático e perfumado, faz-nos viajar, mesmo sem sair de casa. Experimentem!

 2 latas de leite de coco
3 1/2 chávenas leite
3/4 semolina fina
Pitada de sal
1/2 arandos secos
2 colheres de chá de água de flor de laranjeira
2 colheres de chá de água de rosas
1/2 colher de chá de raspa de laranja
3/4 pistáchios picados

CALDA:
3/4 chávena de açúcar
1/2 chávena de água
Sumo de laranja ou de limão
1/2 colher de chá de água de flor de laranjeira
1/2 chávena de água de rosas


Coloque as latas de leite de coco no frigorífico por algumas horas antes de começar a receita. Ao abrir a lata, aproveite apenas a parte sólida e bata-a com uma batedeira até ficar fofinha. Reserve. 

Num tacho coloque ao lume o leite, a semolina e o  sal, deixando ferver e mexendo para não pegar. Após 30 segundos de começar a borbulhar, retire do calor e acrescente os arandos, a água de flor de laranjeira, a água de rosas e a raspa de laranja. 

Coloque a mistura numa taça grande ou em tacinhas individuais e deixe arrefecer. Cubra com o creme de coco batido e leve ao frigorífico pelo menos 2 horas.  

Faça a calda colocando o açúcar e a água num tachinho em lume médio. Quando começar a ferver, baixe a temperatura e deixe ferver 5 minutos. Retire do lume e adicione o sumo de laranja e/ou limão, a água de flor de laranjeira e a água de rosas. Deixe arrefecer.

Ao servir, regue com a calda e polvilhe com frutos secos picados.





segunda-feira, 11 de maio de 2020

FATAYER E UM REGRESSO...



    
    Olá a todos, após muitos meses de ausência... muita coisa mudou na minha vida e o tempo foi ficando cada vez mais escasso, ao ponto de não conseguir manter este espaço minimamente atualizado. Aproveitando agora alguns momentos, retomo e deixo aqui uma sugestão que nos chega do Médio Oriente. 

  Não vou falar aqui das nossas novas restrições diárias, quer a nível pessoal, quer profissional, mas deixo-vos apenas uma ideia. Se não podemos viajar lá fora, experimentar novas coisas e novas experiências, porque não viajar na nossa cozinha e fazer de cada refeição um momento de evasão?

    Pois bem, nas fatayer, trago um recheio de queijo feta e espinafres, mas que pode ser substituído por qualquer outro à vossa escolha... A massa, essa, recomendo, pois fica ótima!...

Ingredientes:

Massa:
350 grs de farinha de trigo branca
7 grs de fermento em pó 
1 colher de sopa de açúcar branco
sal q.b.
1 chávena de leite gordo 
80 ml azeite

Recheio: 
Espinafres
Cebola
Azeite
Sal/Pimenta q.b.
Cominhos em pó q.b.
Canela em pó q.b.
Queijo Feta


Comece por preparar a massa. Coloque a farinha numa taça e faça um buraco no centro. Acrescente o fermento, o açúcar e o sal. Misture os ingredientes secos e acrescente o leite e o azeite. 

Misture bem e amasse durante aproximadamente 5 minutos. Cubra e deixe a massa repousar durante 15 minutos. 

Enquanto isso prepare o recheio. Numa frigideira coloque o azeite, a cebola cortada em cubinhos, o sal, pimenta, canela e cominhos, a gosto e deixe refogar em lume brando cerca de 1/2 minutos. 

Acrescente os espinafres e o queijo feta desfeito em pedacinhos. Misture bem e retire do lume.

Prepare, agora, a massa, estendendo-a e cortado rodelas com aproximadamente 15 cms de diâmetro. Coloque uma colher de recheio no meio e dobre os lados, deixando uma ponta em cima e em baixo, unindo a massa, de modo a ficar bem fechada. 

Leve ao forno a 200ºC perto de 10 a 15 minutos.





domingo, 14 de janeiro de 2018

BOLINHOS DE CANELA E CARDAMOMO PARA UM DIA MUITO HYGGE...



Muito se tem falado do "segredo da felicidade", supostamente apanágio dos dinamarqueses e do seu estilo de vida, o que os tornaria um dos povos mais "felizes" do mundo... Ainda que, a ser verdade, esta felicidade possa estar depende de vários fatores, há qualquer coisa que se associa frequentemente a este  sentimento, qualquer coisa esta que se condensa no conceito de "Hygge" (hyu-gah) e se refere a um estado mental de aconchego, convívio e sentimento de pertença.

De facto, este conceito contempla vários aspectos...

1) Já que o "Hygge" assenta numa ideia base de aconchego e conforto, há que começar por criar a atmosfera ideal, reconfortante e securizante. Para isso começa-se por acender algumas velas, acender a lareira/aquecedor, vestir roupa confortável e por a jeito uma manta bem quentinha...

2) É igualmente importante o sentimento de pertença, de autenticidade. Quando se promovem estes momentos em família ou com amigos, convém que haja disponibilidade emocional para todos estarem juntos de modo a que todos se possam ouvir, um espaço onde todos tenham o seu "tempo de antena", onde cada um possa partilhar as suas coisas e ao mesmo tempo conseguir estar lá para os outros, sem críticas ou segundas intenções... Para que esta disponibilidade seja possível é naturalmente importante que telemóveis/redes socias e afins fiquem "de fora" e não interfiram.

3) Não é de esquecer um dos aspectos fundamentais para ter momentos "Hygge"... Não podem faltar tentações gulosas, com doces, chocolates, bolos, chás ou bebidas reconfortantes, bem quentes e deliciosas...

4) "Por vezes aquilo que temos é o melhor que se pode ter no momento", esta é outra ideia de base para se poder estar/viver de uma forma "Hygge". O sentimento de gratidão, de se aceitar as vicissitudes da vida, crescer com elas e seguir em frente, agradecendo e reconhecendo o que de bom a vida também nos traz, ajuda a diminuir sentimentos de injustiça, desconforto ou ingratidão que, de alguma forma possam contribuir para uma visão mais pessimista e infeliz do dia-a-dia.

5) Mas, e o que fazer nestes momentos "Hygge"? De uma forma geral qualquer coisa simples, descontraída e que dê prazer... Porque não ler, ver um filme, ouvir música, escrever uma carta (em papel, como "à moda antiga"...), fazer algum tipo de artesanato, organizar o álbum de fotografias (que agora, com as fotografias digitais quase que perdeu o seu lugar de destaque na prateleira...) ou mesmo cozinhar "aquela receita" que já está à espera de ser posta em prática há tanto tempo?...


Assim, quer sozinhos, quer com os outros, porque não entrar neste espírito, e, quem sabe, abraçar algumas das ideias por ele sugeridas? Confesso que, na prática, não sendo algo de totalmente inovador, já que também nós, os portugueses, gostamos de conviver, estar com os outros, ceder a tentações gulosas ou a pequenos momentos de prazer, há qualquer coisa de diferente na maneira de estar e de viver que me sinto tentada a guardar para mim e para a minha forma de estar...





Bem, porque não tirar um bocadinho, arranjar uma "folga" e dar uma oportunidade a esta nova ideia... afinal, mal não pode fazer, certo? 

Para isso deixo aqui esta sugestão de uns pãezinhos doces e tão aromáticos, perfeitos para dias de Inverno, frios mas aconchegantes, dias e momentos muito "Hygge"...


Massa:
1 chávena de leite morno
1 chávena de manteiga derretida
1 colher de sopa de açúcar
7 grs de fermento de padeiro
2 chávenas + 3/4 chávena de farinha
Sal q.b.

Recheio:
1 colher de sopa de canela
1 colher de chá de cardamomo em pó
100 grs de manteiga
2 colheres de açúcar amarelo

Cobertura:
150 grs de queijo creme
1 colher de sopa de açúcar em pó
10 ml de leite
Extrato de baunilha

Coloque o leite morno numa taça juntamente com a manteiga, o açúcar e manteiga. Adicione o fermento e mexa até dissolver. Acrescente as 2 chávenas de farinha e envolva bem.

Cubra com um pano e leve a levedar cerca de 1 hora.

Acrescente a restante farinha e o sal e amasse até obter uma massa lisa e sedosa.

Prepare o recheio, misturando a canela e o cardamomo com o açúcar e a manteiga à temperatura ambiente.

Estenda a massa num retângulo e cubra com a canela.

Enrole, corte em fatias e coloque num tabuleiro previamente untado, deixando algum espaço entre os rolinhos, já que ainda irão crescer.

Deixe levedar mais uma hora.

Leve a forno pré-aquecido a 160º cerca de 45 minutos.

Tire do forno e deixe arrefecer.

Prepare, então, a cobertura de queijo-creme, misturando bem todos os ingredientes.

Na altura de servir regue com a cobertura e delicie-se num delicioso momento muito "hygge"!...